Não Exploda Sua Casa (8) – Metais alcalinos

via shutterstock.com

É hora do almoço. Você (ou sua mãe/sua esposa, caso seja preguiçoso) arruma seu prato com tudo que tem direito: aquele feijão delicioso, um arroz soltinho e quentinho, batata-frita, carne moída, ovo frito e – tarããããã – a refeição perfeita, ao menos para mim. E sempre tem que colocar um completo, não é amigo? Sem salada gosto de farinha e/ou pimenta, aliás como várias pimentas inteiras, visto meu “cabramachismo”. Para as batatas, somente uma pitada de sal. E pensar que em tempos remotos este composto era utilizado para conservar alimentos por muito mais tempo, isso na ausência de refrigeradores. Nossa, que chato seria não ter uma água gelada para matar a sede e o calor! Não viveria em um mundo sem sorvete…

Agora imagine se pudéssemos “quebrar” moléculas de NaCl (sal de cozinha), com uso de água (opcional) e energia elétrica, o que teríamos? Substâncias puras, e é possível fazer. Isso se chama eletrólise, podendo ser aquosa, onde obtemos soda cáustica, gás cloro e gás hidrogênio, ou ígnea, adquirindo gás cloro e sódio metálico pela pirólise a 801 ºC. Esta experiência trata justamente desse metal alcalino e seu “cabramachismo” rs.

Há apenas um aviso: reações com metais do grupo 1A e água são perigosíssimas, então hoje apenas dou dicas a professores, não curiosos de plantão. E nem teria como fazer em casa mesmo rs.

Material necessário:

vanderkrogt.net

► pequena quantidade de sódio metálico, ou, para segurança, lítio metálico que reage menos (não recomendo outros metais pois os mesmos reagem brutalmente a medida que descemos a primeira família da tabela periódica);

► béquer;

► água.

Basta colocar, mais uma vez, esta pequena quantidade, poucas gramas de metal, em água. Você observará desprendimento de gás hidrogênio e calor, portanto uma reação exotérmica.

2Na(s) + 2H2O(l) —> 2NaOH(aq) + H2(g)

E por que não estou incentivando o uso de potássio, rubídio, césio e frâncio? Porque, conforme descemos este grupo, o raio de tais átomos cresce, visto que o número de camadas aumenta, mas o único elétron da camada de valência fica lá. Pensem só na facilidade para retirar esse elétron! Maior facilidade, mais reativo, pronto. Eis a moradia do perigo. E nem sei da onde veio a ideia de usar frâncio… Tão raro, com apenas 30 gramas existentes no mundo inteiro, ainda por cima radioativo…

Agora deixo uma questão para vocês responderem nos comentários: e se juntássemos lítio, sódio e potássio e os reagíssemos em meio aquoso, ao mesmo tempo, o que aconteceria?

Dica de leitura: http://www.infoescola.com/elementos-quimicos/sodio/

Sobre Davidson Lima

Adorador de nuvens, músico, protótipo de humorista, fã do seriado The Big Bang Theory e montador de cubos mágicos, sou eu, um Técnico em Química e graduando em Engenharia Química pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Mas vou além. Não preciso de Red Bull para que meus sonhos criem asas. Só isso mesmo.
Esse post foi publicado em ▪ Série "Não Exploda Sua Casa", Experiências Químicas: e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Não Exploda Sua Casa (8) – Metais alcalinos

  1. Nina M disse:

    Se reagissemos estes três metais ao mesmo tempo, acho que iríamos obter uma mistura aquosa das três bases: LiOH, NaOH e KOH… como as três são solúveis, teríamos uma solução fortemente alcalina, e seus respectivos metais na forma de íons solvatados.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s