Tutorial: como se tornar um aluno melhor? (parte 6)

via stockphotopro.com

Muitos já observaram um colega obter notas maravilhosas e prontamente chamaram-no de gênio. De fato, há pessoas que se destacam por suas capacidades incríveis, as quais coincidem com inteligência fora do comum. Mas eu não faço parte deste seleto grupo. Na verdade, estou longe. A carteirinha desse clube jamais me será cedida. E nem quero.

Aprendizado: quase a base de tudo

Não há escapatória. Na modernidade, quem quer se dar bem em sua área de interesse necessita ter conhecimento, obtido com mágica com feitiçaria com macumba com estudo. Basta utilizar um raciocínio reducionista que também chegará a minha conclusão. A exemplo, visualize-se como um químico da Petrobrás, atuando na área de petróleo. Como chegar até lá? Passando em concurso. E como se passa em concurso? Estudando. E o que seria mais fundamental ainda, o estopim, a ignição do motor? A motivação.

Esse fenômeno é o mais importante quando no intuito de trilhar um caminho vitorioso, seja no estudo, seja em quaisquer metas. “É a energia que te auxilia na realização de objetivos”, definição minha. Você pode estudar em um colégio lixo, ter uma família destruída ou sofrer por não se encaixar nos padrões de beleza do meio em que vive; estando motivado, virtualmente não há barreiras.

Um empurrãozinho

Percebi, conforme os anos de árduo aprendizado escolar voavam, que deter certa capacidade em resolver problemas, vulgo ser inteligente, não é o suficiente na conquista de notas boas (como se isso fosse importante). Sem algo que o impulsione, as asas da evolução cognitiva são cortadas brutalmente. Mas sempre podem se regenerar. Sempre. Porém um alto preço deve ser pago: o da dor.

Não é a dor nas costas por sentar-se durante horas, encurvado, diante de um livro antigo de uma biblioteca de uma faculdade da vida, que estou abordando. É um tipo pior de dor. Um sacrifício: o do esforço máximo. Se há algo que valha a pena ser obtido, então meu filho, cai dentro, se esforça, luta, deleta as críticas destruidoras, visualize-se desfrutando daquilo que tanto quer e sinta parte do prazer que seu objeto de desejo lhe conferirá. Utilize a dor, isto é, a dificuldade da tarefa, como um combustível. E quando nada mais puder te levar adiante, olhe para seu lindo trajeto e perceba quão forte se tornou. Isso lhe dará uma força colossal.

Exemplos fortalecem

Até hoje me inspiro em mim mesmo. Sou meu maior herói, meu maior exemplo, meu melhor amigo. Creio que isso deveria valer para todos. Assim, não estou induzindo ninguém a um posicionamento egoísta como filosofia de vida; pelo contrário, me vejo no dever de revelar, baseado no que aprendi na prática, que o amor próprio eleva nossa auto-estima.

Por favor, não considere isso como justificativa para conformismo. Ao dizer “aceite-se como é” em momento algum digo para se acomodar. Sempre devemos encontrar um jeito de melhorar o que há. Por exemplo, tudo bem estar um pouco acima do peso, mas exercícios físicos regulares são importantes; desde que não sejam exagerados, beneficiam a saúde. Leu direito? Também em nenhum momento argumentei que deve haver obsessão com o corpo. Em síntese, faz-se necessário ponderar as atitudes, sem jamais levá-las a extremos, buscando um meio-termo satisfatório. Isso é válido e importantíssimo ao traçar metas. Sonhar demais também não ajuda, ainda mais na ausência de atitudes.

Diante de problemas, a quem recorrer?

Muitos pedem auxílio a Deus ou a Jesus Cristo. Se isso lhe conforta, parabéns, prossiga com a prática. A leitura te diverte? Ora, administre bem seu tempo e seja feliz com este hobby. E quanto a games? Finais de semana estão aí para isso.

No “planetinha eu”, tudo é válido para se distrair e, de algum modo, atingir um estado de tranquilidade. Isso só não pode se tornar uma fuga dos desafios que nos são impostos naturalmente, ou os que por nós são estabelecidos, sendo esses últimos os mais difíceis de ultrapassar.

Dispondo em outras palavras, quando os problemas chegam a um limite de tolerância, é preferível dar um tempo, parar, reavaliar as ações até o dado instante e, numa ilha de estabilidade psicológica, só então voltar a batalha.

E qual é a hora de desistir?

Certas coisas são mesmo complicadas, exigindo uma, duas, três tentativas. Será que vale a pena continuar? Muitas vezes não dependem apenas de nós, com fatores externos a prejudicar o rumo da conquista. Em nossa realidade, infelizmente não há dublês, nem balas de festim, nem encenações; nos machucamos, sangramos e podemos chegar na iminência da morte, talvez até a sua concretização. Não é filme. Portanto, é delicado falar sobre. Aqui vai da escolha de cada um. Algo em nós determina o momento certo de interromper certo objetivo utópico e seguir em um muito mais sólido (não necessariamente mais fácil).

Mas do estudo, coisa que não enfatizei muito neste artigo, a desistência não é opção. Aliás, se fosse estaria automaticamente descartada. O foco no aprendizado deve se manter, sempre. A motivação para tal também pode ser obtida no próprio desafio; por que não desafiar a si mesmo? Isso pode ser interessante, a não ser que queira se tornar superior aos demais. Neste último caso você estaria fazendo papel de idiota, participando de uma competição que não existe.

_

Só imagine. Você acabou de conquistar o que tanto queria. Depois de tanto sofrer, está aí, diante de você. Percebe o imenso prazer? Então mãos à obra!

_

Lembrem-se: não viso me tornar o melhor de todos juntamente com vocês, caros leitores, mas sim nos transformar no melhor aluno possível, através da troca de ideias. Como dito no primeiro artigo da série, nesse contexto, todos podem se tornar o melhor aluno da turma simultaneamente.

Sobre Davidson Lima

Adorador de nuvens, músico, protótipo de humorista, fã do seriado The Big Bang Theory e montador de cubos mágicos, sou eu, um Técnico em Química e graduando em Engenharia Química pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Mas vou além. Não preciso de Red Bull para que meus sonhos criem asas. Só isso mesmo.
Esse post foi publicado em ▪ Dicas pra estudar, Vestibular e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Tutorial: como se tornar um aluno melhor? (parte 6)

  1. Renata disse:

    Você é o cara garoto,adorei😀

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s