Tutorial: como se tornar um aluno melhor? (parte 7)

via romoldbooks.org

Devido a confusão que surgiu em posts anteriores, alterei o título dessa série, que era Como se tornar o melhor aluno da turma?. O antigo causou certa interpretação errônea por parte de alguns leitores do site, além de ter repercutido em minha vida acadêmica. Quero deixar claro que tudo o que foi dito nesta série se trata de atitudes que ou já estão sendo postas em prática, ou ainda as estou tentando fazer; elas, a meu ver, são ou serão importantes para melhorar estudantes do ensino médio, e a mim mesmo também.

Dito isto, hoje gostaria de falar sobre amigos. Não precisa ser aquele que vai na sua casa encher o saco todos os dias, nem mesmo quem você conhece desde que era um moleque melequento. Falo sobre pessoas que se importam com você, e que você deveria se importar também. Acredite, quando se convive com esse tipo de gente, nós ganhamos tanto apoio emocional quanto, obviamente, algum tipo de auxílio nos estudos.

Alunos se reunindo para estudar (e zoar depois) | via yaymicro.com

Quanto ao aprendizado, a amizade é mais do que necessária. Através de diálogos, nós trocamos ideias, analisando o ponto de vista alheio e retirando algo de útil desse processo. Às vezes falamos uma informação de um documentário visto há não sei quanto tempo, aí esse novo dado acaba respondendo a uma antiga indagação nossa, disso chegamos a um novo pensamento e, baseado nele, enunciamos um conhecimento recém-adquirido, que por sua vez poderá completar ideias de outros, e assim sucessivamente o saber passeia de boca em boca, de mente em mente.

Grupos de estudo

Eles são importantes por isso mesmo: da reunião de pessoas interessadas, por exemplo, com a resolução de algum exercício, caso você não o consiga concluir, alguém poderá te auxiliar. Ou então o contrário, com você ensinando alguém.

Universitários dialogando | via thecollegehelper.com

Pelo que tenho visto e vivido, a reunião com colegas/amigos para estudar só não pode ser considerada uma boa ideia se o que deve ser feito se resume a única e exclusivamente leitura (por exemplo, você tem que estudar – entenda como ler – determinado capítulo de química inorgânica para a prova na próxima semana). Aí o grupo não ajuda; pior, atrapalha! Aliás, em qualquer instante pode atrapalhar, visto que não é difícil começar uma brincadeira aqui, outra acolá, para dar início à falta de atenção, aí uma conversinha, aí uma zorra total, aí um evento culminando no fim do mundo. Por isso mesmo as zoações devem ser deixadas para outro instante.

Por fim, a sinceridade consigo mesmo quanto a não saber tudo só irá te beneficiar: você não precisa se sentir o sabichão só porque tira boas notas e foi convidado para dar uma força maior a um grupo de estudos. Como minha mãe, que é pedagoga e fã de Paulo Freire, sempre diz:

“Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre.”

Esse post foi dedicado a um grande amigo da minha faculdade. Ele me ensinou o que é humildade, o que é se dedicar e fazer sacrifícios em prol de um objetivo maior, o que é manter o foco, o que é ser simples (e a não necessidade de utilizar uma linguagem complicada), e, o mais importante de tudo: o que é não desistir e tentar, dar o seu máximo, não importando o número de derrotas, até chegar onde se quer, mesmo que a realização do sonho seja extremamente difícil.

Obrigado. E obrigado a todos os meus amigos/colegas. Fanáticos, fanáticos =P

Publicado em ▪ Dicas pra estudar, Química:, Vestibular | Marcado com , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Resolução de questões aleatórias #17 – Concentração de íons

via istockphoto.com

Para vocês verem que todos nós erramos, por uma bobeirinha não acertei de primeira a questão abaixo (notei isso pois outros usuários do Yahoo! haviam obtido outra resposta). Daí, percebi onde estava o problema. Desse modo, obtive a resposta correta.

O exercício a seguir envolve concentração, mas mais do que isso, a aplicação de conceitos básicos tal qual o balanceamento de reações químicas (se não sabe fazer pelo método das tentativas, leia esse artigo).

Questão #17

A solução que apresenta maior concentração de íons Na⁺ é?

Solução 1: Na₂SO₄ 0,1mol/L; 1L
Solução 2: Na₃PO₄ 0,05mol/L; 0,1L

Por quê?

Resolução

Se dissociarmos os sais, teremos:


…………0,1 mol
Existe ————- × 1 L = 0,1 mol de Na₂SO₄.
…………….1 L

Na₂SO₄ → 2 [Na⁺] + [SO₄²⁻]
..1 mol……….2 mol……..1 mol

1 mol de Na₂SO₄ — 2 mol de Na⁺ 
0,1 mol de Na₂SO₄ — ……..x

x = 0,2 mol de Na⁺ 

Como está tudo para 1 L, [Na⁺] = 0,2 mol/L


……………0,05 mol
Existem ————— × 1 L = 0,005 mol de Na₂SO₄.
………………0,1 L

Na₃PO₄ → 3 [Na⁺] + [PO₄³⁻]
1 mol………3 mol……..1 mol

….1 mol de Na₃PO₄….. — 3 mol de Na⁺ 
0,005 mol de Na₃PO₄ — ……y

y = 0,015 mol de Na⁺ 

Como está tudo para 0,1 L; [Na⁺] = 0,015/0,1 = 0,15 mol/L

~~~

Portanto, notamos que a primeira solução está mais concentrada em íons Na⁺ que a segunda.

Fonte: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120829065925AAVfYFm

Publicado em ▪ Dicas pra estudar, Química:, Vestibular | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Resolução de questões aleatórias #16 – pKa

via bbqs.com

Fiquei assustado de cara, ao olhar as reações de ionização. Mas depois de perceber que a questão apenas pedia algo facilmente notável por comparação do pKa, fiquei mais relaxado. Eis a bendita abaixo.

Questão #16

Resolução

Sejam as reações de ionização I, II, III e IV. Colocando em ordem crescente de pKa, temos:

III < I < IV < II

Na interpretação do pKa, podemos, por aproximação, comparar com o pH: quanto maior, mais básico; quanto menor, mais ácido.

Portanto, o composto de maior acidez é o de menor pKa (III), e o composto de menor acidez é o de maior pKa (II).

III e II, alternativa d).

~~~

Eu sei que não é necessário para a questão, mas gostaria de explicar o que pKa significa. Ele é, por definição, o logaritmo negativo da constante de acidez de um composto (que pode ser ácido ou não, atentem para isso), sendo essa constante tanto maior quanto a concentração de ácido em uma solução. Tá bom, falei grego agora. “Traduzindo”, temos:

pKa = – log Ka

Podemos relacionar o pKa com o pH. Isso é dado pela equação de (se liga no nome “lindo”) Henderson-Hasselbalch. A demonstração dela parte de uma reação de ionização, onde um ácido HA é hidrolisado. Observação: [H₃O⁺] = [H⁺]

.HA + H₂O ….…. H₃O⁺…… + ….. A⁻
ácido .base ….ácido conjugado base conjugada

A constante de equilíbrio, K, é dada por:

…….[H₃O⁺] [A⁻]
K = ——————
…….[HA] [H₂O]

Incorporando a água, temos a constante de acidez:

………[H₃O⁺] [A⁻]
Ka = —————— = K [H₂O]
…………..[HA]

Aplicando logaritmo negativo em ambos os lados, temos:

– log Ka = – log [ [H₃O⁺] [A⁻]/[HA] ]

– log Ka = – log [H₃O⁺] – log [A⁻]/[HA] ]

Chamando – log Ka de pKa e – log [H₃O⁺] de pH, temos:

pKa = pH – log [A⁻]/[HA] ]

Mas log [A⁻]/[HA] ] = log [HA]/[A⁻] ⁻¹ = – log [HA]/[A⁻] ]

Finalmente, temos:

pKa = pH – ( – log [HA]/[A⁻] ]– log [HA]/[A⁻] ])

pKa = pH + log [HA]/[A⁻] ] …………………………………………………….

Para [HA]/[A⁻] = 1, log [HA]/[A⁻] ] = 0, vem:

pKa = pH
– log Ka = pH
log Ka = – pH
Ka = 10^-pH ou ainda [H₃O⁺] = 10^-Ka ……………………………………….

Agora vocês já sabem como relacioná-los. Para dissociação de bases, teríamos:

B + H₂O ⇌ HB⁺ + OH⁻

…….[HB⁺] [OH⁻]
K = ——————-
……….[B] [H₂O]

……….[HB⁺] [OH⁻]
Kb = ——————– = K [H₂O]
……………..[B]

pKb = pOH + log [B]/[HB⁺] ]

Caso [B]/[HB⁺] = 1:

pKb = pOH

De onde vem:

Kb = 10^-pOH ou ainda [OH⁻] = 10^-Kb 

~~~

Como Kw = Ka × Kb = 1×10⁻¹₄ (produto iônico da água, a 25 ºC),  pKw = pKa + pKb.  Teremos, portanto, pKa + pKb = 14. Por analogia, pH + pOH = 14.

~~~

Recomendo a leitura deste site.

Publicado em ▪ Dicas pra estudar, Vestibular | Marcado com , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Resolução de questões aleatórias #15 – Reagente limitante e reagente em excesso (2)

via coieandsparky.wordpress.com

Ontem respondi uma questão envolvendo quantidades não ideais de reagentes. Pois bem, deixo aqui a resolução para lhes auxiliar nos estudos.

Questão #15

Sabendo que na combustão completa de 50 g de magnésio metálico são consumidos 33 g de gás oxigênio , responda:

Que massa de oxigênio é necessária para queimar 150 g de magnésio?

Qual é a massa do óxido de magnésio formado pela reação entre 600 g de magnésio e 396 g de oxigênio?

Resolução

❶ Mg + 1/2 O₂ → MgO

Caso não se lembre como balancear reações, aprenda aqui.

Na reação primordial, são gastos:

24 g de Mg + 16 g de O₂ = 40 g de MgO

Mas os valores dados são:

50 g de Mg + 33 g de O₂, o que está estequiometricamente correto, pois:

24 g de Mg — 16 g de O₂
50 g de Mg — x

x = 33 g de O₂

Para descobrirmos a massa de O₂ necessária para queimar 150 g de magnésio, fazemos regra de 3 partindo das massas dadas (que necessariamente tem de ser proporcionais aos valores da reação primordial):

50 g de Mg — 33 g de O₂
150 g de Mg — y

Y = 99 g de O₂

❷ Agora as massas fornecidas são:

600 g de Mg + 396 g de O₂

Vejamos qual é a quantidade de fato necessária de cada reagente.

24 g de Mg — 16 g de O₂
600 g de Mg — w

w = 400 g de O₂

e

24 g de Mg — 16 g de O₂
………k………— 396 g de O₂

k = 594 g de Mg

Disso, temos que 600 g de Mg exigiriam 400 g de O₂, só que a massa fornecida de gás oxigênio é de 396 g. Ou seja, se tem gás oxigênio de menos, tem magnésio de mais. Portanto, o magnésio é o reagente em excesso, e o gás oxigênio, o reagente limitante.

Quando for assim, nós damos atenção ao reagente limitante, pois é ele que diz quando a reação cessa. Estequiometricamente, a reação pára quando temos 396 g de O₂ e 594 g de Mg. Portanto:

594 g de Mg + 396 g de O₂ = 990 g de MgO

OU

600 g de Mg + 396 g de O₂ = 990 g de MgO (sobrando 6 g de Mg, que não reagem)

Fonte: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120827150300AArgyg6

Publicado em ▪ Dicas pra estudar, Vestibular | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Resolução de questões aleatórias #14 – Concentração em quantidade de matéria

via toyday.co.uk

Essa questão foi bem random mesmo. Por pouco ela não ficou sendo a de número 13 do 13º artigo da série. Aff, superstições bobas… rs

Questão #14

Resolução

Dados:

V = 500 mL = 0,5 L
m = 34 g (carboidrato) = massa de C₁₂H₂₂O₁₁
M(C₁₂H₂₂O₁₁) = 12.12 + 22.1 + 11.16 = 144 + 22 + 176 = 342 g/mol
c = ?

Seja:

c = n/V = m/(M.V)

Substituindo valores, obtemos:

c = 34/(342.0,5) = 0,2 mol.L⁻¹ = 20.10⁻² mol.L⁻¹

Letra c.

Fonte: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120827122622AAUxhVx

Publicado em ▪ Dicas pra estudar, Vestibular | Marcado com , | Deixe um comentário

Resolução de questões aleatórias #13 – Gases (2)

Fiz uma questão muito tranquila de gases agora a pouco. Sua resolução é semelhante a desta. Lembrem-se sempre: separem os dados, deixem claro o que a questão pede, e raciocinem, utilizando seus conhecimentos de mundo, para obter a resposta.

……………………..

Questão #14

Certa massa de hidrogênio ocupa um volume de 1 litro a – 23ºC e numa dada pressão. A que temperatura essa mesma massa de hidrogênio, na mesma pressão, ocupará um volume de 400 cm³?

Resolução

É extremamente importante exercitar o português, e isso fica claro quando da interpretação de questões de química; aliás, de qualquer disciplina. Vocês precisam ser capazes de descrever a pergunta em termos de letras/números para, finalmente, fazer uso de equações.

Quando o enunciado relaciona um estado anterior com um posterior no estudo de um gás, a receita de bolo não tem erro: divida a equação de Clapeyron de um gás pela equação de Clapeyron do outro. Antes, notem que:

m₁ = m₂ = m, logo N₁ = N₂ = N

e

P₁ = P₂ = P

❶ V₁ = 1 L; T₁ = – 23 ºC = 250 K; P; N

❷ V₂ = 400 cm³ = 400 mL = 0,4 L; T₂ = ?; P; N

PV₁ = NRT₁
PV₂ = NRT₂
—————-– ÷
V₁/V₂ = T₁/T₂

Logo: T₂ = V₂.T₁/V₁

Substituindo valores, vem:

T₂ = 0,4 × 250 / 1 = 100 K

Observação importante: se o exercício pede a resposta em kelvin, não dê mole: converta a outra temperatura dada para esta unidade antes. Se deixar para fazer isso no final, “dá ruim” (como dizia um professor meu de Química Geral e Química Inorgânica Experimental) rs.

Fonte: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120827115156AAGCruD

Publicado em ▪ Dicas pra estudar, Vestibular | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Lista de exercícios #1 – Cálculo Estequiométrico

via zazzle.com.br

Acabei de ver um usuário (cara esperto, por sinal) postar uma série de perguntas em uma única no Yahoo! Respostas. É muito difícil alguém se predispor a responder essa quantidade de questões por lá, assim, de uma vez. De qualquer maneira, elas são muito boas para exercitar estequiometria, que são contas envolvendo quantidades de compostos, seja em termos de massa, seja em termos de volume, seja em relação a quantidade de matéria (antigo número de mol ou moles).

Dessa vez a resolução fica por conta de vocês. Será que são capazes? Será que sabem mas se esqueceram de algumas regrinhas? Daqui a alguns dias eu faço o gabarito. Acho uma boa vocês imprimirem pra fazer na mesa, ao invés de ficar com os olhos cansados de tanto olhar para a telinha do computador.

Lembrete: 1 u = 1 g/mol ou ainda 1 g.mol⁻¹

Lista de exercícios #1 – Cálculo Estequiométrico

1 – Qual o rendimento de uma reação se 8 g de hidrogênio (H₂) produzir 18 g de H₂O? H=1u O=16u

2 H₂ + O₂ → 2 H₂O

2 – Qual o rendimento de uma reação se 4 mol de nitrogêgio (N₂) produzir 3,6.10²⁴ moléculas de amônia (NH3)?

N₂ + 3 H₂ → 2 NH₃

3 – Qual a massa de gás carbônico (CO₂) produzido, partindo de 24 g de carbono (C) com redimento de 90%? C=12u O=16u

C + O₂ → CO₂

4 – Qual o volume de trióxido de enxofre (SO₃) na CNTP produzido, partindo de 3.10²³ moléculas de oxigênio (O₂) com rendimento de 80%?

2 SO₂ + O₂ → 2 SO₃

5 – Qual a massa de gás carbônico (CO2) produzido partindo de 400 g de O₂ com 80% de pureza? C=12u O=16u

2 CO + O₂  → 2 CO₂

6 – Qual o volume de monóxido de carbono (CO) na CNTP produzido na combustão incompleta de 48 g de carbono com 75% de pureza? C=12u

C + ½ O₂ → CO

7 – Qual o número de moléculas de H₂O produzida na neutralização de 10 mol de NaOH com 60% de pureza?

H₂S + 2 NaOH → Na₂S + 2 H₂O

8 – Desafio: qual a pureza de 10 g de H₂ que produziu 72 g de H₂O? H=1u O=16u

2 H₂ + O₂ → 2 H₂O

9 – Qual a massa do reagente em excesso na mistura entre 68 g de ácido sulfídrico (H₂S) e 120 g de hidróxido de sódio (NaOH)? Na=23u O=16u H=1u S=32u

H₂S + 2 NaOH → Na₂S + 2 H₂O

10 – Qual a massa de H₂O produzida na mistura entre 10g de gás hidrogênio (H₂) e 64 g de gás oxigênio (O₂)? H=1u O=16u

2 H₂ + O₂ → 2 H₂O

11 – Qual a quantidade de reagente em excesso na mistura entre 4mol de gás nitrogênio (N₂) e 18.10²³ moléculas de gás hidrogênio (H₂)?

N₂ + 3 H₂ → 2 NH₃

12 – De acordo com o exercício anterior, qual a massa de amônia (NH₃) produzida? H=1u e N=14

Se quiser, faça o download da lista aqui.

Publicado em ▪ Dicas pra estudar, Vestibular | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

O que acontece no nosso organismo – quimicamente falando – quando nos ferimos?

É claro que seria extremamente complexo falar sobre todas as reações que se desencadeiam no nosso corpo quando cortamos o dedo ou quando batemos o dedinho no pé da mesa, pois há desde a dor até aquela sensação de impotência contra o mundo e a revolta que sentimos contra nós mesmos por termos sido capazes de tamanha estupidez. Portanto, vou focar somente na reação de defesa.

Nosso corpo é formado por células, como se elas fossem os “tijolinhos” que nos constroem. E as células são formadas por diversas organelas, o fluido intracelular, e pra “embrulhar” tudo isso, existe a membrana celular. A membrana celular é formada por uma camada dupla de lipídeos, que são organizados de forma que a cabeça polar dos ácidos graxos sejam direcionados para o exterior da célula e também para o interior da célula – para que possam interagir com o meio aquoso existente neste meio (lembre-se que nosso corpo possui cerca de 70% de água!), e para que as longas caudas apolares estejam localizadas no interior da membrana, para que estabeleçam as várias forças de Van der Waals que possibilitam que a membrana celular seja uma estrutura resistente.

Estrutura representativa de um ácido graxo (neste caso, um ácido graxo saturado). Note que ele apresenta uma parte polar ou hidrofílica (no grupo carboxila) e uma parte apolar ou hidrofóbica (cadeia carbônica longa).

 

Bicamada lipídica, demonstrada por um corte transversal de uma célula.

Quando nos ferimos – seja por um corte, ou uma batida forte, algo que agrida nosso organismo – e a membrana celular é rompida, uma enzima denominada fosfolipase (ela tem este nome porque os lipídeos de membrana são os fosfolipídeos, lipídeos que contem um íon fosfato ligado ao glicerol – além dos glicolipídeos, que contêm um açúcar ligado ao glicerol e também do colesterol que auxilia na formação da membrana interferindo na fluidez da mesma) quebra os fosfolipídeos em ligações específicas que formam o ácido araquidônico.

Estrutura do ácido araquidônico.

 

O ácido araquidônico dá origem a diferentes substâncias, como as prostaglandinas, as tromboxanos. Elas são formadas pela ação de enzimas chamadas ciclo-oxigenases, mais conhecidas pela abreviação COX.

As prostaglandinas são moléculas sinalizadoras que mandam ao cérebro a informação de que algo está “errado” naquele local. Em resposta, o cérebro nos faz sentir dor. A dor faz parte do mecanismo de defesa, pois permite que notemos que fomos feridos e tomemos mais cuidado com o local do ferimento, e que não continuemos fazendo aquilo que está machucando.  Elas também participam do processo inflamatório, que assim como a dor, faz parte do mecanismo de defesa.

Estrutura de uma prostaglandina.

 

Grande parte dos medicamentos analgésicos e antiinflamatórios se baseiam na ação de um inibidor enzimático, que bloqueia a enzima COX-2, responsável pela formação de prostaglandinas. Se a enzima que produz as prostaglandinas é inibida, ela se torna incapaz de produzir estas moléculas, e a sinalização da dor e do processo inflamatório não ocorre.

Os tromboxanos são moléculas formadas pela ação de enzimas chamadas tromboxano-sintases, a partir de precursores formados também pelas ciclo-oxigenases. São agregadoras de plaquetas, que são células sanguíneas com a função de regenerar o tecido lesionado.

Estrutura de um tromboxano.

Assim, os tromboxanos são as moléculas indiretamente responsáveis pela reconstrução do tecido que foi ferido, após termos sido avisados pelas protaglandinas, através da dor, de que havíamos nos machucado e que algo estava errado.

Publicado em ▪ Química da Vida | Marcado com , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Resolução de questões aleatórias #12 – Gases, pressão e massa

via pt.all-free-download.com

Seja em vestibulares, seja em provas de concursos, sempre existem aquelas questões que parecem vindas de alguém possuído (ou que teve uma má noite de sono antes de fazê-las). Mas elas são como cães que ladram mas não mordem: assustam, e só. Segue adiante um exemplo, que encontrei nas minhas andanças pelo Yahoo! Respostas, que se encaixa nesse perfil. Aliás, ainda que esteja umas 3 semanas sem efetivamente responder por lá, ainda sou usuário TOP; só falta ficar entre os dez que mais (e melhor) respondem no Brasil. A Nina, professora cuja didática é brilhante e que esporadicamente posta artigos aqui no site, é a 6ª colocada nacional. Parabéns para ela \o/

Dica: antes de ler a resolução, tentem resolver as questões em negrito sozinhos, meus queridos filhos da química 🙂

Questão #12

A mistura gasosa ciclopropano-oxigênio pode ser usada como anestésico. Sabendo-se que as pressões parciais do ciclopropano C₃H₆ e do oxigênio O₂ na mistura são respectivamente iguais a 160 mmHg e 525 mmHg, a relação entre suas correspondentes massas é:

Dados: Massas molares: C₃H₆ = 42 g/mol; O2 = 32 g/mol

a) 160/525
b) 42/32
c) 2/5
d) 160/685
e) 2/7

Resolução

Seja:

~ C₃H₆ ~

P₁V = N₁RT

~ O₂ ~

P₂V = N₂RT

Admitindo volumes idênticos, como o enunciado fala, temos o seguinte:

P₁V = N₁RT
P₂V = N₂RT
—————– ÷

P₁/P₂ = N₁/N₂

Como N₁ = m₁/M₁ = m₁/42 e N₂ = m₂/M₂ = m₂/32, substituindo valores, vem:

P₁/P₂ = N₁/N₂
P₁/P₂ = (m₁/M₁)/(m₂/M₂)
160/525 = (m₁/42)/(m₂/32)
160/525 = (m₁/m₂).(32/42)
m₁/m₂ = (160.42)/(525/32)
m₁/m₂ = 0,4 = 2/5

Logo, a relação entre as massas é de m₁/m₂ = 2/5.

Sentiram dificuldade? Creio (e espero, pelo poder de Odin) que não. Não que a solução esteja na cara, mas só de pensar um bocado o caminho da resposta aparece. Aconselho a leitura deste artigo para lhes auxiliar na expansão do raciocínio.

Pergunta original: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120726180146AAEpItK

Publicado em ▪ Dicas pra estudar, Química:, Vestibular | Marcado com , , , , , , , , , | 1 Comentário

Resolução de questões aleatórias #11 – Produto de Solubilidade (Kps)

via zazzle.com.br

Será que você se esqueceu o que é produto de solubilidade? Essa é a sua chance de relembrar.

Questão #11

O sulfato cúprico, CuS, é um sal muito pouco solúvel em água. O número de cátions Cu²⁺ existente em 10,0 mL de solução saturada desse sal é:

Dados: Kps = 9,0.10⁻³⁶, N = 6.10²³

a) 10⁴
b) 1,8.10⁴
c) 2.10²³
d) 1,5.10⁴
e) 3.10⁻⁸

Resolução

Seja a dissociação desse íon, em meio aquoso, dada por:

CuS(s) → Cu²⁺(aq) + S²⁻(aq)

Como está tudo para 1 mol, [Cu²⁺] = [S²⁻] = x.

Kps = [Cu²⁺].[S²⁻] ⇒ 9,0.10⁻³⁶ = x.x ⇒ x² = 9,0.10⁻³⁶ ⇒ x = 3,0.10⁻¹⁸ mol/L

Para [Cu²⁺] = 3,0.10⁻¹⁸ mol/L e V = 10 mL = 0,01 L, temos:

c = n/V
3,0.10⁻¹⁸ = n/0,01
n = 3,0.10⁻²º mol

Se 1 mol — 6.10²³ entidades (neste caso, cátions), então:

1 mol — 6.10²³ cátions
3,0.10⁻²⁰ mol — y

y = 1,8.10⁴ cátions Cu²⁺

Simples, não? 🙂

Pergunta original: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120726082924AARLLRm

Publicado em ▪ Dicas pra estudar, Vestibular | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário